DRE: o que é e como fazer uma para sua empresa?

Compartilhe esse post:
dre - capa

A DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) é um relatório contábil importante para acompanhar receitas e custos da empresa. Veja mais

A DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) é um relatório contábil que tem como objetivo elencar toda receita, custos e despesas da sua empresa e retornar, ao final, o lucro ou prejuízo dentro do período de tempo analisado.

Indispensável para qualquer empresa, independentemente do seu porte, a DRE, junto com o fluxo de caixa e o balanço patrimonial, é capaz de gerar uma visão aprofundada do seu negócio, visão essa de grande importância em diversas situações, tanto internamente, na sua empresa, quanto para stakeholders externos.

Esse relatório contábil é de obrigatória realização anual, por lei, para todos os portes de empresas, com exceção de MEIs. Mesmo assim, muito além da obrigatoriedade, a DRE deve ser utilizada como uma forma de acompanhar a saúde financeira do seu negócio, um ponto essencial para alavancar suas operações. Por isso, aconselhamos que mesmo as MEIs realizem periodicamente esse relatório.

Vale dizer ainda que a validade da sua DRE perante a lei só existe se ela estiver devidamente assinada por um contador habilitado pelo CRC (Conselho Regional de Contabilidade).

Importância da DRE na gestão financeira da sua empresa

Como falado anteriormente, a DRE compõe um grupo de ferramentas contábeis capazes de trazer uma visão administrativa completa do seu negócio. Esse relatório, em específico, contempla todas as receitas e despesas/custos da sua empresa e, dessa forma, chegamos no resultado líquido o qual, por sua vez, é o indicador de rendimento real da sua empresa ao longo de todo período analisado.

Ter visões detalhadas das finanças do seu negócio, além de acompanhar determinados indicadores, comparando-os mês a mês é extremamente importante para a saúde financeira da empresa e, consequentemente, para alavancar suas vendas.

Utilize recorrentemente a DRE, assim como o fluxo de caixa e o balanço patrimonial, e analise sua empresa por essas óticas antes da tomada de qualquer decisão que possa gerar grande impacto na empresa. Isso trará maior segurança e assertividade nos seus investimentos e, então, será refletido positivamente no retorno financeiro.

Em relação aos agentes externos que impactam o seu negócio, a DRE é utilizada como forma do governo federal analisar se os impostos que foram declarados pelos sócios da empresa no IRPF correspondem ao valor de resultado líquido que foi declarado oficialmente na DRE da empresa.

Além disso, a DRE é um importante demonstrativo financeiro para a análise de crédito. É muito comum que instituições financeiras solicitem da empresa tomadora de crédito a sua DRE de um determinado período para realizarem análise de crédito mais apurada antes de conceder os valores solicitados.

dre - interna

Como construir uma DRE?

Basicamente, uma DRE é construída de acordo com os seguintes passos:

  • Receita Bruta
  • (-) Deduções e abatimentos
  • (=) Receita Líquida
  • (-) CPV (Custo de produtos vendidos) / CMV (Custos de mercadorias vendidas) / CSV (Custo de serviço vendido)
  • (=) Lucro Bruto
  • (-) Despesas com Vendas
  • (-) Despesas Administrativas
  • (-) Outras despesas
  • Outras Receitas
  • (-) Despesas Financeiras
  • Receita Financeira
  • (=) Resultado Antes IRPJ CSLL
  • (-) Provisões IRPJ E CSLL
  • (=) Resultado Líquido

Mesmo esse sendo um modelo básico de DRE, vale dizer que não existe um modelo único e que esse relatório pode ter diferenças conforme a atividade que a empresa exerce e, também, varia conforme seu tamanho. Mas, independentemente disso, o passo a passo para se construir uma DRE, de maneira geral, é o seguinte:

  1. Faça o levantamento da Receita Bruta de Vendas – todo valor faturado pela empresa no período analisado;
  2. Levante também o valor das Deduções das Vendas – impostos que incidem nas suas vendas, exemplo: ICMS e PIS/Cofins;
  3. A diferença entre o Passo 1 e o Passo 2 é a chamada Receita Líquida de Vendas;
  4. Indique o CPV/CMV/CSV – cada um está relacionado a um tipo de venda, o primeiro é o custo dos produtos vendidos que foram produzidos pela sua empresa, o segundo é o custo de mercadorias adquiridas para venda e, por último, o custo do serviço prestado. Cada empresa utilizará um indicador de custo;
  5. A diferença entre o Passo 3 e o Passo 4 é o chamado Lucro Bruto;
  6. Detalhe na sua DRE: Despesas com Vendas, Despesas Administrativas e Outras Despesas (salários, Previdência Social, aluguéis, etc.);
  7. Detalhe os valores de Outras Receitas (por exemplo, as receitas em equivalência patrimonial);
  8. Detalhe as Despesas Financeiras (IOF, juros etc.);
  9. Detalhe as Receitas Financeiras (juros recebidos, ganhos com variações monetárias, etc.);
  10. Ao Passo 5, subtraia os Passos 6 e 8 e adicione os Passos 7 e 9 para se obter o Resultado Antes do IRPJ e CSLL;
  11. Faça o levantamento do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o valor obtido no Passo 10;
  12. A diferença entre o Passo 10 e o Passo 1 é o Resultado Líquido.

O valor do Resultado Líquido da empresa é o que será dividido entre seus sócios ou reinvestido na operação, visando expandir o negócio. Caso o resultado demonstre um prejuízo, esse valor deverá ser recuperado no próximo exercício da empresa, com o objetivo de sempre manter uma boa saúde financeira.

E para concluir: realiza sempre a DRE mensal ou trimestral do seu negócio, independentemente da obrigação fiscal para sua categoria. Assim, você terá uma visão detalhada das finanças da sua empresa, saberá mais precisamente no que atuar caso seja necessário e, dessa forma, terá uma boa saúde financeira, indispensável para o crescimento da sua operação.

Leia também:

Gestão financeira: 3 dicas para organizar as finanças do seu negócio

3 dicas para melhorar o score de crédito do seu CNPJ

Trava bancária: o que é e como funciona na contratação de crédito?

Compartilhe esse post: