Por que o mobile deve integrar sua estratégia?

Compartilhe esse post:
mobile - capa

O mobile precisa integrar sua estratégia de vendas. Veja as principais razões e como escolher entre: mobile first, site responsivo ou app

De acordo com um estudo realizado pela FGV, o Brasil, em 2020, já contabilizava cerca de 234 milhões de smartphones. Isso sem contar os tablets e outros dispositivos móveis. Ainda, segundo um artigo publicado na Escola de E-commerce, a taxa de conversão mobile nas lojas virtuais, atualmente, chega a 63%. Tendo esses dados em vista, fica difícil negar a importância da estratégia mobile para um e-commerce nos dias de hoje.

E ter uma estratégia voltada para o mobile não significa, necessariamente, criar uma do zero. Ela, inclusive, deve estar conectada à estratégia on-line como um todo e à idealizada para o ponto físico, caso você tenha um.

Estruturar e desenvolver uma estratégia mobile está diretamente ligado à responsividade. Ou seja, seus canais e pontos de contato devem ser facilmente acessados através de qualquer dispositivo. Seja ele móvel, ou não. Sem que as imagens quebrem, que os textos estejam ilegíveis, que os botões sejam impossíveis de clicar. 

E para isso acontecer, é preciso pensar no mobile desde o começo. A estrutura do seu negócio precisa levar isso em consideração e ter o mobile no cerne da estratégia.

Qual a importância da estratégia mobile para sua empresa?

Como dissemos, é preciso pensar no mobile e não apenas adaptá-lo. O cliente, quando entrar no seu site através de um dispositivo móvel, deve conseguir navegar sem dificuldades, enxergando e acessando as informações importantes, se deslocando pelas páginas sem imprevistos.

Páginas que são planejadas apenas para performar em desktops, quando visualizadas no mobile aparecem com um zoom maior. Em outras palavras, isso dificulta a visualização do conteúdo se o acesso for realizado por meio de um smartphone.

Se o seu site é assim, como você poderá vencer a concorrência e agradar os chamados m-consumidores, que cada vez mais dominam o mercado? Se você nem sabe quem eles são, isso já mostra que você está atrás nesta corrida…

Os m-consumidores são os clientes que, basicamente, só realizam suas compras on-line através do mobile. Uma pesquisa encomendada pelo Paypal e publicada no site Consumidor Moderno, apontou que 70% das pessoas nascidas entre 1980 e começo dos anos 2000 buscam por produtos ou serviços nos smartphones pelo menos uma vez ao dia.

Os m-consumidores compram em sites, aplicativos e redes sociais. Tudo para tornar o processo de compra mais ágil e adaptá-lo aos seus costumes e à sua rotina. Ainda segundo a pesquisa do PayPal, o m-consumidor costuma comprar qualquer tipo de item pelo celular ou tablet. A categoria campeã é a de serviços, seguida pelos produtos do dia a dia.

Mobile first x site responsivo x app: qual a melhor estratégia mobile?

Grande parte das lojas já existentes no mercado, quando vão iniciar sua estratégia mobile, optam por um site responsivo. Ou seja, ele se adapta às diferentes telas que existem no mercado e apresenta uma boa navegação em qualquer uma delas. Com isso, ele adequa o layout, texto, fontes e imagens.

Ter um site que atenda às expectativas de uso, navegação e experiência deles é muito importante para atrair o cliente e fazê-lo avançar no processo de compra. 

E essa é uma opção muito escolhida exatamente porque ela é mais fácil de ser praticada e mais barata. Tornar um site responsivo é mais fácil do que criá-lo do zero, ou mais barato do que investir em aplicativos. Inclusive, algumas plataformas de sites para e-commerce e até mesmo os marketplaces, já apresentam sites 100% responsivos para seus clientes e parceiros.

Já os sites considerados mobile first são aqueles que foram pensados primeiramente no mobile e em entregar uma excelente experiência através destes dispositivos. O foco do negócio já está nos m-consumidores. 

Hoje, muitas empresas que estão nascendo digitais e atentas a essa tendência, já preferem desenvolver seus sites como mobile first. Não existe dificuldade a mais nisso, nem um custo elevado. O que é preciso é uma boa equipe, que entenda essa necessidade e saiba supri-la para o cliente.

Mas existe, também, um terceiro caminho, que está ligado aos aplicativos, ou apps. Ele te permite ter um site mais voltado para desktop, se esta for sua preferência, sem abrir mão da presença mobile. 

É importante ressaltar que essa experiência precisa ser ainda mais pensada e estruturada. Afinal, o cliente vai baixar o aplicativo, ocupar espaço de memória no celular… Não se pode entregar qualquer experiência!

E independentemente de qual desses três caminhos você seguir, é recomendado fazer um benchmarking, ou seja, visitar os sites de alguns concorrentes e entender o diferencial que eles apresentam, sejam no visual, no processo de navegação… Assim, você identifica o que pode fazer e o que conseguiria fazer melhor.

mobile - interna

Quais as vantagens do mobile?

Maior velocidade no acesso

Maior velocidade no carregamento das páginas é essencial quando falamos de mobile e isso, principalmente os sites mobile first, entregam muito bem. 

Personalização da página

É possível, via programação, exibir ou ocultar elementos visuais da sua página, de acordo com a origem do acesso. Aqui, as possibilidades que designers e programadores têm são infinitamente maiores e muito benéficas para o projeto.

Redução na taxa de rejeição

Um site que carrega rápido, atrativo, que entrega uma experiência pensada para o dispositivo… Bem, as chances do usuário sair sem ao menos interagir com a sua página reduzem muito no mobile. O que dificulta que você caia de posição no Google por taxa de rejeição.

Melhora na conversão de leads e vendas

Se sua empresa utiliza muito as redes sociais ou qualquer outro canal para promover as ações da marca, ter um site responsivo é essencial para atrair e vender mais. A chance de alguém se inscrever, compartilhar ou simplesmente passar mais tempo navegando certamente aumenta.

Mas sempre existe mais um caminho…

Muitos empreendedores ainda não estão preparados para terem o seu próprio site, fazendo vendas através de plataformas de redes sociais, por exemplo, ou sem ao menos ter uma presença on-line. Mas não é um impeditivo para ter uma presença no mundo mobile. Isso porque você pode estar presente em sites que tenham esse enfoque e consigam atrair os clientes que querem comprar tudo bem na palma da mão.

Os marketplaces são uma ótima opção. Eles funcionam como um grande shopping on-line, onde os lojistas parceiros expõem seus produtos. Os sites, que já são bastante conhecidos do público, por sua vez, oferecem todo o suporte necessário, inclusive no que diz respeito a ter uma boa presença no mobile.

Marcas que atuam nesse modelo, como a Americanas, que além de ter um site responsivo, tem também um aplicativo, deixando o consumidor à vontade para comprar onde e como preferir. São as próprias marcas que trabalham para garantir uma boa infraestrutura, que performe bem em diferentes dispositivos, e a compartilham com seus parceiros.

Já deu para entender que, hoje, falar em e-commerce sem falar em mobile é estar atrasado no mercado, não é?! Adotar essa estratégia e oferecê-la da melhor forma possível para o seu cliente pode ser a sua chance para se destacar e alavancar as suas vendas. Agora é adaptar o seu negócio o quanto antes para atender os clientes em todos os dispositivos – principalmente naqueles que estão em alta no momento!

Leia também:

Como fazer um atendimento online com excelência?

Consumidor do e-commerce: um retrato do brasileiro que compra pela internet

Como identificar um nicho de mercado para vender online?

Compartilhe esse post: