Liderança feminina: por que mulheres ainda são a minoria no empreendedorismo?

Compartilhe esse post:
liderança feminina - capa

* Especial dia da mulher.

Gestoras da B2W Marketplace falam sobre desafios da liderança feminina e dão dicas para mais mulheres em cargos de decisão

A proporção de mulheres no Brasil é pouco maior que a masculina: elas são 51.8% da população do país, segundo dados do IBGE. Mas quando o assunto é gestão, a conversa é bem diferente. Apenas 43% dos empreendimentos são liderados por mulheres. Ainda há um longo caminho a se percorrer para que a representatividade nos negócios reflita mais a realidade populacional.

A liderança feminina vem se ampliando no país nos últimos anos, com mais mulheres ocupando espaços entre os novos empreendedores e ganhando maior protagonismo no mercado de e-commerce. Mas, ainda há muitos desafios para quem deseja unir um cargo de gestão com as rotinas de casa, filhos, ambientes profissionais ainda bastante marcados pelo machismo e a necessidade de um espaço muito além do numérico. Como diz Bruna Nunes de Souza, Gerente de Marketing e Branding Experience das marcas do Universo Americanas, “ainda temos um caminho para percorrer, afinal vai além de um número igual entre homens e mulheres. Representatividade é cultura. É dar voz. É empoderar”.

A B2W Marketplace vem tomando muitas ações afirmativas para poder ampliar espaços e vozes de mulheres em diferentes posições de gestão. Mas, sabemos que ainda há muito a ser feito. Por isso, neste Dia Internacional da Mulher trouxemos algumas das nossas gestoras para falar de desafios de liderança e trazer dicas para todas as mulheres que já se aventuram ou desejam embarcar no mundo do e-commerce e marketplace. Como diz Mariana dos Santos Araújo, coordenadora de sustentabilidade da B2W Digital, “é preciso mobilizar toda a cadeia para avançarmos nessa pauta”. 

Você é mulher e já empreende ou deseja empreender? Você é homem, mas conhece a necessidade de maior liderança feminina nas empresas? Tem uma filha e quer que ela tenha confiança o bastante para ocupar posições de liderança se assim desejar?  Então acompanhe algumas dicas que podem nos ajudar a construir ambientes mais igualitários e uma pluralidade que contribui – e muito – para a inovação e crescimento das empresas (e, por que não, da sociedade). 

Responsabilidade

Cargos de gestão implicam em uma alta carga de responsabilidade, em decisões que impactam sua empresa e toda uma cadeia de colaboradores. Segundo Alexandra Bello Mendonça, gerente do B2WADS, uma habilidade importante para contornar os desafios do cargo é o autoconhecimento.

“A posição de liderança te desafia ao máximo, porque se você realmente quiser ser um líder inspirador, você vai precisar de muito autoconhecimento que implica em realmente querer ser uma pessoa melhor e, principalmente, pensar muito mais nos outros do que em si, já que qualquer atitude sua pode ter um impacto gigante.”

A empatia é outro ponto que faz muita diferença na hora de se relacionar com as pessoas e envolver o time.

Para Anna Manoela Gepp Lopes, gerente de atendimento da B2W Digital, a oportunidade de ser líder com certeza mudou sua maneira de pensar e de agir: “procuro me colocar no lugar do outro para não cometer nenhuma injustiça e motivar o meu time para que, como equipe, todos os resultados sejam alcançados”, diz.

Desafios

Trabalhar muito em prol de resultados consistentes. Estudar para manter o aprimoramento na carreira. Manter a casa em ordem. Educar filhos para que cresçam com bons valores morais e tenham boas perspectivas profissionais. Manter as emoções em ordem diante de tudo isso.

Muitas mulheres lidam com jornadas duplas e o equilíbrio é uma palavra de ordem na vida delas. Segundo Íris Vieira, gestora do B2W Entrega, “o maior desafio ainda é equilibrar trabalho, família, lar e educação”.

Íris Vieira, à espera do primeiro filho

Uma pesquisa do IBGE indicou que as mulheres chegam a trabalhar quase o dobro dos homens no ambiente doméstico. E, claro, isso tem um impacto na rotina delas.

Nesse malabarismo todo, escolher não é uma opção para quem se realiza tanto na profissão como na vida doméstica. As duas coisas precisam acontecer ao mesmo tempo e da melhor forma possível. Mas, então, como fazer isso?

“Não é uma coisa ou outra, porém precisamos aprender a conciliar sabendo se organizar, priorizar e delegar sempre, se você optar por isso”, diz Alexandra.

Organizar. Priorizar. Delegar. 

Essas três palavras precisam estar na rotina de toda gestora. É preciso organizar as diferentes demandas para poder ver as necessidades holisticamente. Depois, hierarquizar cada tarefa de dentro e fora da empresa. E, claro, saber o que cabe exclusivamente a você e em quais situações outras pessoas e sua equipe podem te ajudar.

Mas, se permitindo errar

Errar é humano e – sim – faz parte do dia a dia de qualquer líder. Entre os desafios na liderança feminina, está o de que a mulher, por mais que se sinta compelida a se reafirmar o tempo todo em uma sociedade ainda muito carregada pelo machismo, e dar conta de tantas coisas ao mesmo tempo, possa se lembrar de que ela pode sim falhar. Está tudo bem cometer erros vez ou outra e isso não fará dela menos competente.

“A velocidade de mudança de mercado e a necessidade de adaptação ao mindset cada vez mais produtivo de inovação muitas vezes conflita com a dimensão tempo. É preciso muita paciência, amor próprio e sagacidade para caminhar com segurança na trilha da carreira, conscientes que não somos seres infalíveis ou superdotados.”, diz Íris.

É um aprendizado, afinal

Segundo pesquisa publicada pela Harvard Business Review, as mulheres têm menos autoestima e segurança que os homens, principalmente até a idade de 40 anos, quando os níveis ficam equiparados aos masculinos.

Mas, a mesma pesquisa também indica que as mulheres mandam muito bem – acima da média masculina até – na maioria das habilidades exigidas para cargos de gestão. Elas se mostram mais resilientes, orientadas a resultados, inspiradoras e inovadoras, por exemplo.

E então? Por que tanta insegurança e medo de errar?

Na liderança feminina, é importante aceitar a gestão como um processo em construção.  

“A gente pode aprender a ser líder (ninguém nasce pronto). Nunca vamos estar 100% preparados para todos os desafios da gestão (…) precisamos sempre ser justos, trabalhar para ajudar as pessoas do nosso time a evoluírem, aceitar o erro como parte do processo e não se penitenciar”, diz Mayra Gianoni, gerente de Negócios da B2W Marketplace.

Para um mundo que escute todas as vozes

Briza Rocha Bueno, gerente do Shoptime, lembra que o time de marketing da marca hoje é mais de 73% feminino – sendo que 85% dos cargos de coordenação são ocupados por mulheres e dois terços dos cargos de gerência também são de mulheres. E isso traz benefícios.

“Trazer pontos de vistas diferentes e um outro olhar pro negócio é fundamental para crescermos e fortalecer os diálogos.”, diz.

Briza Rocha Bueno no palco do B2W Summit

As visões diferentes ajudam na transformação dos negócios e é importante reconhecer o papel que a liderança feminina exerce não apenas nos resultados gerais, mas também para a inspiração e crescimento de outras mulheres em escalar suas carreiras.

Marilia Menezes Garcia de Souza, gerente de atendimento ao cliente na B2W Marketplace, conta como sua própria formação profissional se deve a tantas outras mulheres que a ajudaram a aumentar a autoconfiança.

“Entrei aqui [na B2W Digital] uma menina, eu tinha 16 anos e hoje estou com 33, uma mulher. Minha formação profissional foi construída a partir de pessoas, inclusive de mulheres fortes que me incentivaram que era possível me tornar uma profissional realizada e ainda assim ser uma boa mãe, esposa, amiga e tudo que quisesse ser.”, revela.

De cabeça em pé

Se cair, levante. Se as emoções falarem por si, respeite o processo com naturalidade. Se te cortarem em uma conversa, corrija, explique porque aquele comportamento não é legal. Mas, não pense que esse cargo não é pra você se for isso que você deseja profundamente para si. E não tenha medo de fazer outra coisa, se não for o que deseja ou mudar de ideia no meio do caminho. 

Mulheres podem ser o que quiserem e o Dia Internacional da Mulher é uma data para ninguém se esquecer disso, embora seja preciso viver com essa lembrança todos os outros 364 dias do ano.

Nossa coordenadora de sustentabilidade tem uma dica para toda gestora ou quem busca uma posição de liderança:

“Meu recado é: não esmoreça, se imponha e ocupe todos os espaços. Precisamos preencher esses espaços e ocupar essas cadeiras. Não é um processo fácil, mas gerações que nos precederam pressionaram muito as instituições para chegarmos onde estamos e é necessário que esse movimento continue. Pensar nas gerações que vêm depois de nós é necessário. Então, vamos com tudo!”

Leia também:

Mulher empreendedora: conheça Maria Elisa Russolo, fundadora da Kumbayá Joias

Economia solidária: criando marcas com propósito que cooperam e vendem

Compartilhe esse post: