Como saber se a precificação de meus produtos está correta?

Compartilhe esse post:
precificação

Para quem vende online, uma grande questão é: como saber se a precificação está correta? Que atenda às expectativas do seu público, de acordo com o setor, equilibrada com a concorrência, mas que não sacrifique a sua margem de lucro… São vários os pontos a se observar.

Ao contrário do que muitos pensam, esta é uma parte bastante estratégica do negócio e que deve ser bem analisada, pensando em diversos pontos críticos (como os citados acima) e que, ao serem mal interpretados ou ignorados, podem levar a uma crise financeira – e até mesmo à falência.

Para que consiga planejar bem a sua estratégia de precificação e ela jogue a favor do seu negócio, veja a seguir alguns fatores aos quais você deve estar atento antes de etiquetar cada produto! 

Atente-se às despesas fixas da sua loja

Um negócio só é sustentável quando mantém todas as suas contas em dia, gerando um fluxo de caixa saudável. É preciso estar preparado também para possíveis imprevistos ou investimentos em melhoria, além de garantir uma margem de lucro para sua loja. 

Por isso, independentemente de como você calcule seus preços, é preciso ter consciência exata de quais são as despesas do seu e-commerce. Ter isso registrado contribui não só para o cálculo do valor a ser cobrado, mas para se certificar que sua estratégia não vai trazer prejuízo para a empresa.

Logo, a precificação deve ser pensada para possibilitar este equilíbrio. Estratégias que reduzem muito a média de preço de um produto, por exemplo, podem funcionar por um período de tempo, mas tendem a comprometer a saúde do negócio em longo prazo.

Defina sua margem de lucro

Após pensar em todos os custos fixos da sua loja, é importante definir qual será sua margem de lucro por venda. Isso te ajuda a assegurar o equilíbrio no faturamento ao final do mês. Esse valor pode ser flexível – tanto em questão de produto, quanto em questão de periodicidade – e precisar conversar com a sua estratégia de negócio no momento. 

Essa definição te ajuda, por exemplo, a saber qual o limite para uma ação de desconto. Assim, você sabe o valor que, ao ser praticado, não afetará o fluxo de caixa. 

Monitore o preço praticado pela concorrência

Agora que você olhou para as questões internas da sua loja, é preciso analisar os fatores externos. O primeiro deles é a concorrência.

Uma pesquisa realizada pela PWC Research mostrou que, para 61% dos participantes, o principal motivo para visitar um e-commerce é para comparar o preço de um produto ou serviço desejado. Por isso, é preciso estar de olho na concorrência! 

Manter uma média de preço é sinal de um mercado saudável, sem práticas abusivas e que visam ganho imediato sem pensar a longo prazo. 

Aqui, a inteligência de preço pode ser uma excelente aliada. Estar atento à precificação dos principais concorrentes e ter o valor competitivo sugerido para o seu produto – além de entender quais estratégias são interessantes, como deixar o preço um pouco menor do que o dos produtos em destaque, ou oferecer frete grátis. 

Conheça o seu público

Continuando na análise de fatores externos, é muito importante conhecer o seu público. Isto te permite traçar uma estratégia de precificação que vai além das estimativas ou da análise da concorrência. Com esse conhecimento em mãos, você pode usar as vontades e as expectativas do seu consumidor para precificar aquilo que oferece – seja serviço ou produto.

E é importante também que você, como lojista, entenda que o que define se a sua mercadoria é cara ou não, não é o preço; mas o valor percebido pelos seus clientes. Ou seja, os benefícios que eles esperam receber a partir dessa compra. Assim, quanto maior essa expectativa (e o quanto você atende), mais você pode explorar os valores. 

O canal de venda importa!

Na precificação, é preciso levar em consideração o canal em que a venda será realizada. Isso porque canais diferentes têm custos diferentes. Por exemplo, você vende na loja própria e no marketplace? Pratica o mesmo preço nos dois canais mesmo eles tendo custos diferentes? 

Muitas vezes, um te permite ter uma margem de lucro maior do que o outro, ou te possibilita reduzir o preço final sem influenciar no ganho, uma vez que a despesa naquele canal é menor. 

Mas é preciso estar atento ao omnichannel, uma tendência crescente no e-commerce. Nele, o que se busca oferecer ao cliente é uma experiência unificada e contínua em todos os canais: loja física, e-commerce, aplicativo… Com isso, variações de preço, dependendo do canal, não são bem-vindas.

Pronto! Agora você já conhece os cinco pontos principais aos quais você deve estar atento antes de definir o preço dos seus produtos e serviços. Cada um deles joga luz sobre prismas diferentes dos seus negócios, que juntos, te dão uma visão completa do todo. 

Reúna informações, faça pesquisas e analise resultados. Assim, você consegue definir estratégias de precificação específicas para cada produto, pensando tanto em ações isoladas e pontuais, quanto na estratégia de longo prazo. 

Quer saber mais sobre precificação para marketplace? Então acesse nosso conteúdo e entenda como trabalhar o seus preços nos canais mais populares de venda!

Leia também:

9 desafios de vendas que todo varejista precisa superar

3 pontos fundamentais para criar uma estratégia de preço para a Black Friday

6 dicas para criar um plano de negócios para seu e-commerce

Compartilhe esse post: