7 dicas para quem deseja abrir um negócio (com pouco dinheiro)

Compartilhe esse post:
abrir um negócio com pouco dinheiro

Conheça algumas dicas para quem deseja abrir um negócio, mas tem pouco dinheiro para começar

Quer abrir um negócio próprio, mas o dinheiro para investir está curto? Fique tranquilo, pois muita gente começa justamente assim.

Na nossa série Conexões trouxemos histórias de vários lojistas que começaram com pouco e conseguiram mudar totalmente de profissão para focar em um negócio próprio. É o caso, por exemplo, do lojista Bruno Mendes, que é formado em desenho industrial, mas diante do desemprego conseguiu se posicionar na venda de categorias como artigos para bebês, cama, mesa e banho e eletrônicos.

Assim como Bruno, muita gente precisa pensar em novas formas de renda e o segredo para isso é estruturar bem seu planejamento inicial para que haja espaço e fundamentos para as vendas crescerem. Pensando em te ajudar nessa, separamos 7 dicas que podem facilitar a vida de quem deseja abrir um negócio, mas está com pouco dinheiro para investir. Confira!

1) Analise bem quanto você possui para investir

Calcule cada centavo que você possui para abrir um negócio próprio. 

Aqui é importante dividir seu dinheiro em: quanto você precisa para capital de giro e o valor que você pode usar para efetivamente investir no negócio.

  • Capital de giro: o capital de giro é um valor que custeie despesas fixas (aluguel, luz, telefone, funcionários) + estoque até o negócio começar a gerar lucro. Um valor relevante seria o equivalente a 6 meses de cobertura destes custos;
  • Investimento: é o valor que você possui disponível para abrir e estruturar o negócio, comprando estoque ou matéria prima, contratando pessoas ou ferramentas, alugando um local e etc.

Essa visão te ajudará a abrir um negócio mais compatível com o seu perfil, sabendo quais produtos você consegue vender e de que forma de posicionar no mercado, evitando gastar tudo de uma vez, antes de começar a colher os frutos de seus trabalho.

2) Faça uma lista de categorias e produtos que pode vender

Agora que você conhece bem seu dinheiro, vale a pena olhar criticamente para esse número e planejar as categorias e produtos que fazem sentido vender, dentro do seu orçamento. 

Com recursos reduzidos para abrir um negócio, a dica é fugir de:

  • Produtos muito caros: estes itens podem comprometer muito seu orçamento, te deixando aprisionado a um estoque muito enxuto, com poucas unidades. Isso pode te impedir de aproveitar as vendas em datas com muita demanda, já que você pode ficar sem disponibilidade muito rápido; 
  • Operação custosa: um item que você consiga comprar a bom preço, mas que tenha um custo alto para estocagem ou entrega também pode comprometer seu orçamento reduzido. Por isso, antes de decidir o que irá vender, analise bem quanto custa manter o item armazenado e entregá-lo para o cliente;
  • Competição acirrada – se o item é vendido por grandes lojas e fabricantes, a um preço muito competitivo e você tem dificuldade de se posicionar, pode valer mais a pena apostar em outros segmentos. A exceção é se você  dominar muito bem esse mercado ou tiver muito poder de barganha.

Por isso, na hora da escolha, vale levar em conta:

  • Conhecimento do mercado: se você domina muito o setor, isso pode te ajudar a ter vantagem competitiva, sabendo a hora certa de comprar, vender ou promocionar o produto; 
  • Capacidade de negociação: caso você consiga produzir ou adquirir o item a um preço muito barato, isso te ajudará a vender a um preço mais atrativo para o cliente, o que pode ser um bom negócio;
  • Interesse do cliente: se você tem pouco conhecimento de mercado e poder de negociação, ainda pode apostar em itens que estejam muito em alta, com vários clientes interessados em comprá-lo. Você pode tentar entender as tendências do momento fazendo, por exemplo, uma pesquisa pelo produto no Google Trends;
  • Facilidade de venda: se os custos de venda do produto são relativamente baixos, e você vai gastar pouco para estocar e entregar o item, isso pode te ajudar a abrir um negócio de forma estruturada. Depois, você pode investir em categorias diferentes conforme o negócio crescer.

3) Faça escolhas inteligentes de canal

Se você tem pouco dinheiro para investir, pode ser pouco estratégico direcionar todos os seus recursos para pagar um aluguel caro de espaço em uma rua badalada na cidade onde vive. 

Nestes casos, vale a pena entender como iniciar de forma em que sua loja consiga aparecer, mas com um custo mais reduzido e maior planejamento financeiro para crescer aos poucos. 

Uma dica é analisar as possibilidades de vender online, em especial, nos marketplaces. Estes canais são plataformas de vendas 100% prontas para você simplesmente conectar sua loja e produtos e começar a vender. Todo o investimento em marketing, meios de pagamento e etc. ficam por conta do canal, reduzindo custos – e você só paga uma comissão por vendas fechadas.

Com o tempo e crescimento, você pode manter o negócio no marketplace e, paralelamente, começar a investir em outros canais como um e-commerce próprio ou uma loja física, se sentir que faz sentido para seu público-alvo.

4) Tenha um sortimento diversificado (e estoque controlado)

Se você já escolheu o produto que irá vender, como, por exemplo, roupas, lembre-se de diversificar seu sortimento dentro desse nicho, vendendo, camisetas, calças, vestidos, ou ainda com variações de cores e tamanhos dos itens.

A dependência de um único produto pode limitar suas opções de venda e possibilidades de se posicionar com mais clientes. Por isso, ter um sortimento variado vai te ajudar a aumentar a inserção de sua loja e chances de lucrar.

Apesar disso, como há pouco dinheiro para investir, não faça compras exageradas de exemplares de um mesmo item para evitar despesas altas com estoque parado. Comece a vender e, conforme entender melhor o que os clientes mais gostam, procure aumentar as compras dos itens mais vendidos.

5) Comece com uma equipe reduzida

Abrir um negócio com pouco dinheiro exige um planejamento muito bom de seus recursos e visão de longo prazo. 

A contratação de profissionais é desejável, mas a partir da hora que iniciar, precisa ser muito bem planejada, estruturada, para que todos os pagamentos sejam feitos legalmente e regularmente mês a mês – mesmo quando as vendas forem baixas.

Com isso em mente, só faça contratações que você sabe que consegue manter. Do contrário, vale começar sozinho e ir ganhando escala com o passar do tempo. 

Lembre-se: sempre há espaço para você crescer, e quando isso acontecer, conseguirá ganhar fôlego na operação e ajudar outras pessoas fazendo contratações para te ajudar.

6) Explore seus pontos fortes

Todo mundo tem um ponto forte – e toda empresa também. Estes pontos fortes podem te ajudar bastante na hora de se destacar dos concorrentes, se você souber quais são e como explorar este itens que jogam a seu favor.

Entre os principais pontos fortes que uma empresa pode ter estão:

  • Marca forte – a marca já é conhecida do cliente e é bem vista pelo consumidor;
  • Itens exclusivos – a loja vende itens únicos, artesanais ou exclusivos no local de atuação;
  • Preço e/ou frete competitivo – o preço e valor de entrega dos produtos são baixos e bem competitivos em relação ao mercado;
  • Prazo de entrega rápido – a empresa possui uma negociação excelente com as transportadoras e consegue fazer entregas muito rápidas dos itens;
  • Atendimento diferenciado – a loja tem um atendimento diferenciado, oferecendo informações importantes sobre o produto vendido e tendo agilidade e prestatividade acima da média na  hora de atender o cliente antes e após a venda;
  • Comunicação com um nicho – pelo sortimento escolhido e forma que se posiciona, sua loja pode ainda ter muito poder de comunicação com um determinado grupo de pessoas, por exemplo, jovens, geeks, artesões, etc. Isso também é algo que pode fortalecer sua imagem de especialista em relação aos outros lojistas.

7) Se informe MUITO sobre seu mercado e concorrentes

Não adianta abrir um negócio e apenas fazer as operações do dia a dia. O crescimento virá ao longo do tempo, com muito trabalho duro e maturidade sobre seu setor de atuação.

Essa maturidade é conquistada a partir de estudo sobre seu mercado, análise de concorrentes, acompanhamento de novidades, conhecimento e atualização sobre a necessidade de seu consumidor.

Lembra do exemplo da loja que vende roupas? Imagine se todas as calças que ela vende sejam de corte reto e a moda agora seja usar flare (ou “boca de sino”). Essa loja certamente fará uma reposição errada de estoque e perderá ótimas chances de vender a tendência do momento.

Em um mercado dinâmico, como o de moda, isso é muito mais fácil de pensar, mas vale para todos os negócios. Pense nos móveis das casas de seus avós e os das casas modernas. Isso vale para tudo: eletrônicos, utensílios domésticos, sapatos, acessórios automotivos. 

Acompanhar as novidades e se manter atualizado é essencial para você fazer compras assertivas, que atendam as reais necessidades do consumidor e, por fim, que gerem receita de verdade para seu negócio.

Seguindo estas 7 dicas, fica mais fácil abrir um negócio sem gastar muito, mas, mesmo assim, estruturado o bastante para conseguir crescer!

Leia também:

7 ferramentas para a análise de concorrentes e estudo de mercado

Crescimento do varejo online e oportunidades no mercado digital

Por que é estratégico vender no marketplace?

Compartilhe esse post: